~*~ Beatificacão de São Frei Galvão~*~

BEATIFICAÇÃO


Frei Galvão, considerado já em vida um santo, com a morte aos 23 de dezembro de 1822, sua fama de santidade se divulgou tanto no século XIX quanto no século XX.

Em 1934, Monsenhor Martins Ladeira iniciou uma coleta de assinaturas dos devotos de Frei Galvão, em vista de sua beatificação.

Em 1938 a abadessa do Mosteiro da Luz dirigiu ao Arcebispo de São Paulo, Dom Duarte Leopoldo e Silva, a Súplica para que fosse iniciada a Causa.

Dom Duarte, aos 5 de junho de 1938, aceitou o pedido e nomeou Frei Adalberto Ortmann, ofm, como Postulador. Frei Adalberto trabalhou na Causa dois anos. Conseguiu reunir um bom número de documentos e elaborou um Interrogatório, que foi respondido pelas religiosas do Mosteiro da Luz. Esse primeiro passo foi até 1939.

Em 1980, a Causa foi retomada (embora tenha havido tentativas momentâneas de trabalho em 1949 e 1969) graças aos esforços de Frei Desidério Kalverkamp, ofm, que, por motivos de saúde, precisou renunciar aos trabalhos.

Em 1990, a Causa tomou maior impulso com as insistências de Madre Ruth Baggio, Abadessa do Mosteiro da Luz, que assumiu as despesas da Causa e aos esforços do Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns.

Assim, em 1990, a Causa de Frei Galvão era protocolada sob o nº 1765 na Congregação para as Causas dos Santos, depois do pedido e da resposta do "Nihil Obstat". A Causa passou a ter como Postulador o Pe. Antonio Ricciardi, ofmConv. Até início de 1994.

Em 1991, depois de instaurado o Processo sobre a continuação da fama de santidade e completada a pesquisa de documentos, a Causa chegou a Roma. Como se tratasse de uma Causa Histórica, neste mesmo ano foi nomeado o Relator Pe. Cristoforo Bove, ofmConv.

Em 1993, depois da elaboração da "Positio" ou Biografia Documentada e da "Informatio" ou Estudo das Virtudes, a Causa foi aprovada pela Comissão Histórica do Vaticano.

Nos anos seguintes, o Processo foi aprovado pela Comissão dos Consultores Teólogos e pela Congregação dos Cardeais e Bispos do Vaticano.

Aos 8 de abril de 1997, foi promulgado pelo papa João Paulo II o Decreto das Virtudes Heróicas. Com este Decreto, Frei Galvão passou a ser "Venerável".

O Processo do "afirmado milagre", depois de aprovado pelos Peritos-Médicos do Vaticano, aos 6 de março de 1997 foi aprovado pela Consulta Médica por unanimidade e aos 20 de junho de 1997 pela Comissão dos Consultores Teólogos do Vaticano também por unanimidade. Depois veio o parecer da Congregação Ordinária dos Cardeais e Bispos e por fim o Decreto do Milagre promulgado pelo Santo Padre, Decreto este que reconhece o milagre. Com este último passo segue-se a celebração presidida pelo papa - Celebração da Beatificação.

O Processo sobre o "afirmado milagre" esteve em estudo no Vaticano. Como foi aprovado, em 6 de abril de 1998.

Frei Antonio de Sant'Anna Galvão pôde ser proclamado Bem-aventurado pelo Santo Padre, numa celebração que deu ao Brasil e São Paulo desde 25 de outubro de 1998 o seu primeiro Beato.

Pesquisa realizada no site:
- São Frei Galvão - Mosteiro da Luz - São Paulo - SP -



Os Dons de São Frei Galvão Escravo de Maria
As Pílulas de São Frei Galvão
Beatificação
Orações e Novenas
Novena à Santíssima Trindade
Faça a sua doação ao Mosteiro da Luz
Horários das Missas
Voltar Introdução
Voltar Reflexos da Alma


São Frei Galvão © 2009| Rio de Janeiro|RJ